A.M. B-059.01.pc

Cotas anteriores/Outras cotas : 
B.Maço LIX-1
Núcleo: 
B
Folha de rosto/Incipit textual: 
Te Deum / a / Quatro vozes e orgão / Do Snr M Portugal / Orgão
Título normalizado: 
Te Deum Ré M
Autoria da música: 
M Portugal
Autoria da música normalizada: 
Registo(s) parente: 
Língua do texto: 
Latim
Tipo de documento: 
Parte(s) cava(s)
Subcategoria de documento: 
Apógrafo
Tipo de fonte: 
Manuscrita
CDU: 
783
Assunto: 
Música sacra
Século(s): 
XIX
Dimensões - Alt x Larg (cm): 
29,2 x 22 ou menor; 21,6 x 29,4 ou menor
Material: 
Papel
Descrição das Marcas de Água: 
PB [monograma pequeno ao centro] (10 / 233,5 / 8,5-10) [MarP 141/Tipo6];
PB [monograma pequeno ao centro] (10 / 175,5 / 7,5-8) [MarP 141/Tipo3]
Decoração: 
Sem decoração
Categoria: 
Polifonia
Conteúdo: 
Te Deum laudamus
Vozes e instrumentação: 
S, A, SATB conc., org
Partes cavas: 
S, S (c.v. Te ergo), S (c.v. Dignare Domine), A, A (c.v. Tu devicto), A (c.v. Te ergo), T, B, org
Tipo de notação musical: 
Moderna
Género: 
Te Deum
Comentários/Notas Gerais: 
Obra composta «Por ordem de S. A. R. o Principe R. N. S.» por ocasião do nascimento de D. Miguel, a 26 de
Outubro de 1802, e cantada no seu baptizado (Paço de Queluz, 14 de Novembro de 1802).
A Versão 2 (para vozes e órgão) foi realizada pelo compositor a partir da versão original para vozes e orquestra.
É a mais internacional obra religiosa de Marcos Portugal, com uma disseminação excepcional. Foi cantada e tocada total ou parcialmente no Brasil, Espanha, França, Inglaterra e talvez Estados Unidos da América, tornando-se obra paradigmática em Portugal, e mantendo-se em repertório durante mais de um século.
Foi uma das raras obras de MP que mereceu o interesse dos editores ainda que apenas parcialmente e em
versão bastante livre; a partir da edição londrina de Vincent Novello o Te ergo quæsumus chegou a ser editado por duas vezes em França: nos anos 1830 e em 1857, esta última um contrafactum da responsabilidade de Pierre-Louis-Philippe Dietsch.
Na Capela Imperial (Real ?) do Rio de Janeiro era conhecido como o Te Deum dos Baptisados.
A Versão 5 – uma orquestração realizada a partir da Versão 2 – terá possivelmente sido concebida para o casamento do Monarca espanhol D. Fernando VII que, em 1816, desposou a infanta portuguesa, D. Maria Isabel, aluna de MP. Este Te Deum terá também sido cantado no baptizado de D. Maria da Glória (futura Rainha D. Maria II), nascida a 4 de Abril de 1819 no Rio de Janeiro, (o baptizado realizou-se a 3 de Maio do mesmo ano na Capela Real).
Referências: 
MARQUES, António Jorge - A obra religiosa de Marcos António Portugal (1762-1830): catálogo temático, crítica de fontes e de texto, proposta de cronologia. Lisboa: BNP/CESEM, 2012, pp. 603-21, 827, 861-64, 965-66
Existe a edição crítica desta versão: MARQUES, António Jorge e PINTO, Rui Magno - Marcos Portugal (1762-1830): publicações de música religiosa no século XIX | 19th century sacred music editions. Lisboa: BNP/CCL/CESEM, 2017
Autoria da informação: 
António Jorge Marques